Apresentação

É a Cristo que os monges querem dar o primeiro lugar quando cantam os Salmos na liturgia, quando se tornam disponíveis à acolhida de hóspedes, ao trabalho e ao serviço da comunidade, e quando estão atentos a todas as angústias humanas que tentam aliviar por meio de suas orações e da escuta àqueles que nos procuram.

A oração na igreja ao longo de todo o dia, chamada de “Ofício Divino”, é um tesouro que o monge se alegra em celebrar com aqueles que vêm ao mosteiro por algumas horas ou alguns dias. O canto gregoriano nas missas, e os hinos e salmos em língua portuguesa no Ofício Divino são o tecido do louvor monástico no Mosteiro da Transfiguração.

O interior do mosteiro em si – que chamamos de clausura –, lugar da vida da comunidade, não pode ser visitado. A atmosfera de silêncio ali preservada é necessária para a vida monástica, que comporta certa restrição em seus contatos com o exterior. Entretanto, a acolhida e a atenção às realidades contemporâneas permanecem sendo parte essencial da espiritualidade beneditina: esta é a dimensão que este site gostaria de honrar.

Sagrado Coração de Jesus

Desde a Idade Média, místicos como Gertrudes de Helfta, Catarina de Sena, Matilde, Margarida Alacoque, João-Eudes, desenvolvem uma devoção ao Sagrado Coração de Jesus, que não é uma devoção a um órgão físico, mas uma devoção ao amor divino vivenciado por Deus feito homem.

Entre o tempo do Filho e o tempo do Espírito

Celebramos hoje o dom do Espírito Santo enviado por Jesus aos seus discípulos. Mas não foram apenas eles que receberam o Espírito de Deus. Cada batizado e, portanto, cada um de nós, é chamado a viver no Espírito Santo. Na verdade, podemos até dizer que a vida cristã, bem como a vida monástica, é uma vida no Espírito. Portanto, peçamos especialmente hoje, pelo dom de uma vida no Espírito Santo. Deus não é avarento nem mesquinho. Ele é o primeiro a querer nos dar e nos fazer participar de sua alegria de viver.

Deus-para-os-outros

As leituras da liturgia destes últimos domingos da Páscoa preparam-nos gradualmente para a festa de Pentecostes, a partir do discurso após da Última Ceia, onde Jesus falou de várias maneiras sobre o amor aos seus discípulos. De fato, é o Espírito Santo quem “derrama o amor de Deus nos nossos corações” (cf. Rm 5, 5), e devemos estar preparados para compreender o que é este dom do amor verdadeiro. É no Quarto Evangelho e na Primeira Carta de São João, ouvidos neste domingo, que encontramos os ensinamentos mais profundos sobre o amor que Deus nos dá para torná-lo nosso Amor.

Mosteiro da Transfiguração

Endereço

Rua Júlio Gaviraghi, 1430
Santa Rosa - RS / Brasil
CEP: 98790-146

Contatos

(55) 3512-6193
(55) 3512-6024
mosteiro@transfiguracao.com.br