CAPÍTULO 31  - Como deve ser o Celeireiro do mosteiro


 Seja escolhido para Celeireiro do mosteiro, dentre os membros da comunidade, um irmão sábio, maduro de caráter, sóbrio, que não coma muito, não seja orgulhoso, nem turbulento, nem injuriador, nem tardo, nem pródigo,  mas temente a Deus; que seja como um pai para toda a comunidade.  Tome conta de tudo;  nada faça sem ordem do Abade.  Cumpra o que for ordenado.  Não entristeça seus irmãos.  Se algum irmão, por acaso, lhe pedir alguma coisa desarrazoadamente, não o entristeça desprezando-o, mas negue, razoavelmente, com humildade, ao que pede mal.  Guarde a sua alma, lembrando-se sempre daquela palavra do Apóstolo: "Quem tiver administrado bem, terá adquirido para si um bom lugar".  Cuide com toda solicitude dos enfermos, das crianças, dos hóspedes e dos pobres, sabendo, sem dúvida alguma, que deverá prestar contas de todos esses, no dia do juízo.  Veja todos os objetos do mosteiro e demais utensílios como vasos sagrados do altar.  Nada negligencie.  Não se entregue à avareza, nem seja pródigo e esbanjador dos bens do mosteiro; mas faça tudo com medida e conforme a ordem do Abade.

 Tenha antes de tudo humildade e não possuindo a coisa com que atender a alguém, entregue-lhe como resposta uma boa palavra,  conforme o que está escrito: "A boa palavra está acima da melhor dádiva".  Mantenha sob seus cuidados tudo o que o Abade determinar, não presuma, porém, a respeito do que lhe tiver proibido.  Ofereça aos irmãos a parte estabelecida para cada um, sem arrogância ou demora, a fim de que não se escandalizem, lembrado da palavra divina sobre o que deve merecer "quem escandalizar um destes pequeninos".  Se a comunidade for numerosa, sejam-lhe dados auxiliares com a ajuda dos quais cumpra, com o espírito em paz, o ofício que lhe foi confiado.  Às horas convenientes seja dado o que deve ser dado e pedido o que deve ser pedido,  para que ninguém se perturbe nem se entristeça na casa de Deus.